Página Inicial » Frases de Livros » Frases do Livro A Paixão Segundo G.H.

Frases do Livro A Paixão Segundo G.H.


A Paixão Segundo G.H. é um romance, escrito por Clarice Lispector.


Lindas Frases do Livro A Paixão Segundo G.H.


“Agora preciso da tua mão, não mais para que eu não tenha medo, mas para que tu não tenhas medo.”


“Ah, as pessoas põem a ideia de pecado em sexo. Mas como é inocente e infantil esse pecado. O inferno mesmo é o do amor.”


“Aquilo que provavelmente pedi e finalmente tive, veio no entanto me deixar carente como uma criança que anda sozinha pela terra.”


“A verdade não faz sentido, a grandeza do mundo me encolhe.”


“A vida é igual em toda a parte e o que é necessário é a gente ser a gente.”


“Chegará o instante em que me darás a mão, não mais por solidão, mas como eu agora: por amo.”


“Do que eu pensava sobre amor, também disso estou me despedindo, já quase não sei mais o que é, já não me lembro.”


“E a respiração contínua do mundo é aquilo que ouvimos e chamamos de silêncio.”


“É difícil perder-se. É tão difícil que provavelmente arrumarei depressa um modo de me achar, mesmo que achar-me seja de novo a mentira de que vivo.”


“E eis que a mão que eu segurava me abandonou. Não, não. Eu é que larguei a mão porque agora tenho que ir sozinha.”


“Eis que tudo o que não tenho é que é meu.”


“É que, quando amávamos, eu não sabia que o amor estava acontecendo muito mais exatamente quando não havia o que chamávamos de amor. O neutro do amor, era isso o que nós vivíamos e desprezávamos.”


“Era uma violentação das minhas aspas, das aspas que faziam de mim uma citação de mim.”


“Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador.”


“Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada.”


“Esquenta-me com a tua adivinhação de mim, compreende-me porque eu não estou me compreendendo.”


“Estou tão assustada que só poderei aceitar que me perdi se imaginar que alguém me está dando a mão.”


“E substituirei o destino pela probabilidade.”


“E talvez só o pensamento me salvasse, tenho medo da paixão.”


“Eu já estava vivendo o inferno pelo qual ainda iria passar, mas não sabia se seria apenas passar, ou nele ficar.”


“Eu, que chamava de amor a minha esperança de amor.”


“Eu não suportava a transformação lenta de algo que lentamente se transforma no mesmo algo, apenas acrescentado de mais uma gota idêntica de tempo.”


“Eu sou mansa, mas minha função de viver é feroz.”


“Existe a trajetória, e a trajetória não é apenas um modo de ir. A trajetória somos nós mesmos.”


“Mas eu quero muito mais que isto: quero encontrar a redenção no hoje, no já, na realidade que está sendo, e não na promessa, quero encontrar a alegria neste instante.”


“Minha exigência é meu tamanho, meu vazio é minha medida.”


“Minha liberdade é escrever. A palavra é o meu domínio sobre o mundo.”


“Na exigência de vida tudo é lícito, mesmo o artificial, e o artificial é às vezes o grande sacrifício que se faz para se ter o essencial.”


“Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é possível fazer sentido. Eu não: quero é uma verdade inventada.”


“Não vou fazer nada por ti porque não sei mais o sentido de amor como antes eu pensava que sabia.”


“O divino para mim é o real.”


“O indizível só me poderá ser dado através do fracasso de minha linguagem. Só quando falha a construção, é que obtenho o que ela não conseguiu.”


“O meu medo era agora diferente: não o medo de quem ainda vai entrar, mas o medo tão mais largo de quem já entrou.”


“O mistério do destino humano é que somos fatais, mas temos a liberdade de cumprir ou não o nosso fatal: de nós depende realizarmos o nosso destino fatal.”


“O pré-amor, que é tão mais feliz que amor.”


“O que eu era antes não me era bom. Mas era exatamente desse não-bom que eu havia organizado o melhor: a esperança.”


“O segredo da força era a força, o segredo do amor era o amor – e a jóia do mundo é um pedaço opaco de coisa.”


“Por enquanto estou inventando tua presença.”


“Por te falar eu te assustarei e te perderei? Mas se eu não falar eu me perderei, e por me perder eu te perderia.”


“Se eu cumprir meu núcleo neutro e vivo, então, dentro de minha espécie, estarei sendo especificamente humana.”


“Se eu me confirmar e me considerar verdadeira, estarei perdida porque não saberei onde engastar meu novo modo de ser – se eu for adiante nas minhas visões fragmentárias, o mundo inteiro terá que se transformar para eu caber nele.”


“Se tu puderes saber através de mim…”


“Sou cada pedaço infernal de mim.”


“Sou dona de minha fatalidade e, se eu decidir não cumpri-la, ficarei fora de minha natureza especificamente viva.”


“Sou silêncio gravado numa parede, e a borboleta mais antiga esvoaça e me defronta: a mesma de sempre.”


“Toda compreensão súbita é finalmente a revelação de uma aguda incompreensão. Todo momento de achar pe um perder-se a si próprio.”


“Ultrapassar a dor é a pior crueldade. E eu tenho medo disso, eu que sou extremamente moral. Mas agora sei que tenho de ter uma coragem muito maior: a de ter uma outra moral, tão isenta que eu mesma não a entenda e que me assuste.”


“Viver me deixa tão impressionada, viver me tira o sono.”


“Vou perder o resto do medo de mau-gosto, vou começar meu exercício de coragem, viver não é coragem, saber que se vive é a coragem.”